O sopro que nos beija


Para V.

não há sombra nesse caminho que se adentra pela floresta
a luz varre a folhagem, caminhamos
como se caminha por dentro de um sonho
somos dançarinos gráceis e cantamos
somos o vento, a esperança
somos a água tranquila de um lago
onde se demora o silêncio.
Oh, voz sagrada, eco da terra,
e caminhamos, lado a lado,
quase sem sentirmos o peso
porque a nossa alma já não conhece a gravidade,
sabes que dançamos, somos anjos de Chagall,
noivos, amantes, aves puras,
somos o tempo, somos eternos
e somos o princípio de nós mesmos,
à nossa volta, ouves?
Sobe o canto, ouves o som do vento
que assobia por entre os juncos que serpenteiam as margens
oh, voz no vento, folhas e caules cantantes, beleza desabrida
e tão só nossa, tão dentro e grandiosa.

Sobeja-nos a alma, o ser que somos
nesta passagem, sobeja-nos o olhar
que se descobre, esse olhar pelo fio inaudito
de uma outra linguagem, escrevendo-se no silêncio.

Tatuamos os nossos nomes nos seixos,
essas pedras incandescentes, íntimas
como os nomes das florestas, pedra tua, pedra minha,
É preciso que o rio a beije
com o seu esplendor simples de água fresca,
é preciso que o rio a cubra, purificando,
para que nada esqueça o nosso amor
celebrado na luz cantante do dia.

Maria João Cantinho

Advertisements

One thought

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s