A Besta

De que tempo somos, agora

que a tempestade sopra de novo

e ao céu sobe este monte de ruínas

devastação anoitecendo o mundo

 

tenta lembrar-te de que lado

veio um dia o alerta, de que armário

saiu este cortejo de sombras

onde se gravou o que a história

deixou escapar, nas malhas do mito

 

para de novo retornar

a besta silenciosa, a que vigia

sem que as pálpebras lhe desçam

uma única vez. Silente

 

talvez estivéssemos nós, os do Sul,

embriagados pela torpeza do metal

e por isso ela moveu-se devagar

 

como se fosse cinza na minha memória.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s