Soneto de León de Greiff

Poeta sou, se é isto ser poeta.
Distante, oculto, sibilino. Duro
pedaço de corindo, indício obscuro,
gota abissal de música secreta.
Amor apercebida já a seta.
Dor em riste, uma lança de amargura.
Espírito absorto, na sua clausura. 
Imóvel, quieto, coração cata-vento.
Poeta sou se ser poeta é isto.
Angústia lancinante. Pavor surdo.
Velada melodia em contraponto.
Calado enigma atrás de intacto selo.
Meu sonho em fuga. Farto e carrancudo.
Na minha nau fantasma único a bordo.
13 de Abril, 1944.
In Troco a Minha vida Por Candeeiros Velhos, Tradução de Gastão Cruz, ed. Abysmo, Lisboa, 2014
Advertisements

1 thought on “Soneto de León de Greiff Leave a comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s