Ferida de Luz

Eu não saberia nomear este frémito
que esconde a luz de uma ferida
nem a sombra, o desejo e a fome
cavando os meus dias, em silêncio.

Por instantes, acredito que voltarás
renasce a esperança como uma brisa suave,
Por vezes, a ferida já não dói,
e de repente o mar entra em mim,
o mar em forma de desejo, violento,
esse mar que há no teu olhar
e que em mim rasgou esta ferida.

As palavras não chegam, nunca.

Maria João Cantinho

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s