Uma Poética dos Rastros

Procuro em cada coisa A Palavra de Deus/Olho e olho e nenhum som, gesto ou sopro. Joana Emídio Marques, Ritornelos Joana Emídio Marques, jornalista, publicou recentemente o seu primeiro livro de poesia, Ritornelos. Esta obra reúne três ciclos: “Ritornelos”, “Cânticos da Floresta” e “Litanias”. O título da obra confere-lhes uma unidade temática e musical, no sentido […]

Rate this:

Read More…

No esplendor das coisas ameaçadas

Profano, profano, profano. Profano o tempo, profana a terra, profana a língua, profana a lei. Tempo e terra, língua e lei, sem outro tamanho que não aquele que por si próprios possam produzir. Causa e consequência, circunstância, condição, isso que a si mesmo, e contra a estrita ideia de civilização, se pesa, se mede e […]

Rate this:

Read More…

Da penumbra tocada pelo canto

A autora Isabel Aguiar é natural na Madeira e vive actualmente em Lisboa, licenciada em Literatura e professora de Português no Ensino Secundário. Estreou-se na poesia com a obra Bichos Instantâneos (com o grande poeta António Ramos Rosa), em 2002, em 2003 publica Nunca se Regressa ao Mesmo Lugar, regressa à poesia em 2014, com […]

Rate this:

Read More…
Rui Costa

Rui Costa: da reciclagem dos anjos

Os anjos são recicláveis e a literatura/controla o tráfego aéreo. No porão do/pensamento acenamos à suavidade,/enquanto Deus é uma sala de fisioterapia./Conservamos as fábricas de electricidade/em níveis aceitáveis de educação sentimental./Somos homens negros paridores da luz. Rui Costa, Breve ensaio sobre a potência, 29, p. 30. Rui Costa deixou-nos no início de 2012. Tinha 39 anos (nasceu em […]

Rate this:

Read More…

Adolfo Casais Monteiro: o estrangeiro definitivo

Uns dizem que os meus versos são tristes,/outros que são abstractos./Mas eu não tenho culpa que a carne da inteligência/seja triste, e inteligente. Adolfo Casais Monteiro, O Estrangeiro Definitivo, 1969. Toda a poesia é impura e se torna pura. Tem barro humano e é barro humano. Adolfo Casais Monteiro, A palavra Essencial, p.83. Passados 43 […]

Rate this:

Read More…
Jaime Rocha

O SILVO DO VENTO

Jaime Rocha, Lâmina, Língua Morta, Lisboa, 2014 Após a sua «Tetralogia da Assombração», composta por Os que vão morrer, Zona de Caça, Lacrimatória e Necrophilia, volumes publicados entre 2000 e 2010, saiu ainda A Rapariga sem Carne (2012), o terceiro volume de uma «Trilogia do Mal», da qual fazem parte A Loucura Branca (publicado em 1990 e reeditado […]

Rate this:

Read More…
Ricardo Gil Soeiro

Estremecer e dizer outra vez o mundo

Conheci o autor em 2008, através de Walter Benjamin. Esse poderia ser um bom prenúncio de uma bela amizade, construída com base numa série de afinidades electivas. Essa, Celan, Blanchot, Steiner, Broch, Hoffmansthal, para citar uma pequeníssima parte dos autores que partilhamos. Ricardo Gil Soeiro é ensaísta e poeta, especialista num dos maiores pensadores da […]

Rate this:

Read More…
Jaime Rocha

O silvo do vento

Jaime Rocha, Lâmina, Língua Morta, Lisboa 2014 “A intensidade metafórica da sua obra, como se verá, é a matriz deste livro, que confirma o percurso de Jaime Rocha como uma voz única na poesia portuguesa actual. Os poemas que compõem o livro já tinham sido anteriormente publicados em antologias, jornais e revistas várias, no período […]

Rate this:

Read More…