Que os cravos nos sejam eternos

Para o meu pai (In Memoriam) Eu deveria andar por esta idade, há 43 anos, quando se deu a revolução dos cravos. Não vivia em Portugal, nessa altura, mas sim em Angola. Pertenci ao rol dos que regressaram após o 25 de Abril, aquando da independência e da libertação das colónias, com o final daquela…

Não fosse a ponta do iceberg não seria grave

A propósito de uma crónica de Patrícia Reis no Blog Delito de Opinião, em que a escritora manifestava a sua indignação pelo facto de não ter sido escolhida uma única mulher, na lista dos cronistas de vários órgãos de comunicação, para falar de 2017, vieram à liça alguns despiques. Parece que não só achavam o facto normal…

Do pó

Para o meu pai Talvez seja só isto. Uma mão que anoitece os dias e que impede a luz de permanecer. Não teremos senão o chão que pisamos, o amor que nos é concedido, o quinhão permitido. E lembro-me, recordo-me sempre dos momentos que antecediam a noite e tu chegavas, mas antes de ti chegava…

Um novo contexto geopolítico. E nós?

A história não se repete ou, pelo menos não da mesma forma, mas existem factores, situações e conjunturas que configuram dinâmicas que se repetem, legitimadas por várias teorias e validadas pelo sufrágio popular. Quando Francis Fukuyama preconizava, na sua obra O Fim da História(1992), o advento de uma nova ordem social e política, muitas foram…

Da fidelidade à política

Nunca um líder político foi tão atacado, de todos os lados, apesar de ainda nem ter governado. A minha estupefacção vai aumentando, à medida que me confronto com os ataques dirigidos a António Costa, um líder que admiro cada vez mais, à medida que o tempo passa e resiste ao desgaste diário, com a obstinação…