Que os cravos nos sejam eternos

Para o meu pai (In Memoriam) Eu deveria andar por esta idade, há 43 anos, quando se deu a revolução dos cravos. Não vivia em Portugal, nessa altura, mas sim em Angola. Pertenci ao rol dos que regressaram após o 25 de Abril, aquando da independência e da libertação das colónias, com o final daquela que foi (e ainda é) a maior ferida da nossa … Continue reading Que os cravos nos sejam eternos

Rate this: