O Azul de amendoeiras que são brancas

Todo o pensamento começa por um poema. Alain, Commentaire sur «Le Jeune Parque», 1953. Quando as águas da filosofia se cruzam com as da poesia é natural que o rigor do pensamento escape por entre as suas margens e correntes, extravasando-as. O modo como as intuições e as múltiplas figurações do sentido as atravessam desafiam a formulação canónica, desviam-se, para dizerem de outro modo e seguirem a … Continue reading O Azul de amendoeiras que são brancas

Rate this: