nada que saibas

em nome dos navios destroçadosque regressam pela noite,em rios de néon e melancolia. no canto de sótãos escuros,onde o amor é o palimpsestode um corpo sobre outro corpo. pelos centauros e ninfas que se beijam,na primeira areia da maré,rostos onde o desejo dói. através de poemas carregadosde vozes, pendendo agora,como frutos, na memória, sombra a […]

Rate this:

Read More…